Notificação extrajudicial para desocupação de imóvel

O locador pode requerer a entrega da propriedade alugada a qualquer momento. Porém, não basta somente pedir de volta as chaves.

Notificação extrajudicial para desocupação de imóvel

O que você encontrará nesse guia:

Clique no índice para navegar pelo conteúdo

Índice

Como funciona a notificação extrajudicial para desocupação do imóvel

A lei  permite ao locador que faça o despejo do imóvel pelas seguintes situações: por aluguéis em atraso, mudança da destinação do imóvel ou quebra das regras de condomínio.

O locador precisa ficar atento à legislação para ter seus direitos assegurados sem ferir os do locatário. 

O locador pode requerer a entrega da propriedade alugada a qualquer momento. Porém,não basta somente pedir de volta as chaves. Da mesma forma, não é legítimo forçar o inquilino a sair do imóvel – neste caso, ele tem o direito de acionar a polícia para permanecer no local.

O pedido  de saída deve ser formalizado por meio do “pedido de desocupação de imóvel alugado”. É um  documento com o fim  de notificação. No  momento em que o inquilino recebe esse aviso, ele tem até 30 dias para deixar o endereço. Porém, esse prazo pode variar de acordo com diversas situações previstas em lei.

De acordo com a lei, um dos deveres do inquilino é pagar o aluguel até a data do vencimento do contrato.  O proprietário além de tomar as medidas possíveis  para cobrança, pode recuperar a posse do imóvel, quando não houver solução amigável. 

Cabe destacar que a solução amigável costuma ser satisfatória na ocasião de inadimplência do inquilino ou outras razões que possam acarretar em despejo.

Para esse fim, a orientação é enviar notificação por escrito ao inquilino, contendo o prazo para pagamento das parcelas vencidas, com os respectivos encargos, ou, alternativamente, para que deixe o imóvel imediatamente. 

O locador deverá contratar um especialista e após enviar a notificação extrajudicial onde deve constar o prazo de 30 dias para a desocupação do imóvel. O envio do documento é feito pelos correios e deve apontar as parcelas em atraso.

A notificação extrajudicial é um comunicado do escritório de advocacia solicitando a desocupação do imóvel. É uma medida feita no sentido de solucionar o problema.

A notificação extrajudicial para desocupação do imóvel deve trazer o valor do débito e legitimidade da cobrança.

Recebido o documento, o inquilino tem até 30 dias para desocupar o imóvel, após a comunicação com antecedência do proprietário, conforme o artigo 38 da Lei do Inquilinato.

Mas, se o dono da propriedade quiser encerrar a locação, deve devolver a caução de aluguel, caso não existam débitos em aberto.

O valor da multa por quebra de contrato de aluguel é igual  ao valor de 3 meses de aluguéis. No caso do inquilino deixar o imóvel antes do fim da locação, o proprietário pode cobrar multa.

Elementos que devem constar da notificação extrajudicial

O documento para pedir a desocupação de imóvel alugado é um aviso comum. Conforme a Lei do Inquilinato, somente deve ser utilizado pelo locador que almeja encerrar o contrato vigente.

Nesse pedido devem constar principalmente a data completa da notificação e a informação de que o inquilino tem até 30 dias a partir desse dia para desocupação. Essa informação permitirá o início da contagem assim que o locador for notificado.

Informações que são comuns no aviso: endereço do imóvel, orientações sobre a devolução das chaves e quitação de débitos, além do espaço para assinatura do locatário. 

Sobre a forma de envio, o aviso pode ser feito por meios digitais informais, desde que esses canais já sejam utilizados como forma de contato entre as partes. É o caso de e-mail, mensagem de texto SMS e aplicativos de conversa, como WhatsApp e Messenger.

Se o imóvel for alugado por intermédio de imobiliária, o corretor pode elaborar o pedido de desocupação de imóvel e orientar o locador sobre o envio. O  ideal é contar com assistência de um advogado para avaliar a situação.

O que fazer diante da recusa do locatário

O inquilino, mesmo após receber  o pedido de desocupação do imóvel, pode se recusar a sair. Nesse caso será preciso entrar com ação de despejo. Como é um processo judicial, pode levar até seis meses para conclusão. A partir da decisão judicial, é concedido mais seis meses de prazo para o locatário deixar o local.

Ao término desse prazo, caso o inquilino desrespeitar o acordo e se recuse a entregar o imóvel, receberá a ordem de despejo judicial. Diante disso, a saída deverá ser imediata. 

O locatário também sairá prejudicado financeiramente, caso não cumpra o estabelecido. Isso porque ele ficará responsável pelas despesas e honorários dos advogados que foram gastos pelo proprietário para condução do processo. Porém, isso só acontecerá se não devolver o imóvel em seis meses após o encerramento da causa.

Depois de tentar um acordo como  inquilino, recomenda-se que o proprietário do imóvel faça uma notificação por despejo.

Para isso é preciso que o remetente coloque no documento as parcelas em aberto, as datas de vencimento, valores e faça a devida identificação das partes. 

Também é importante inserir o prazo para pagamento, cuja orientação é de 15 dias, e guardar uma cópia da notificação. 

Na hipótese de não haver pagamento, indica-se enviar uma nova comunicação e fazer uma notificação exigindo a desocupação voluntária do imóvel, se persistir a inadimplência. 

A orientação é para que o proprietário do imóvel procure um advogado para ingressar com uma ação de despejo.

O que é a notificação extrajudicial

A notificação extrajudicial é um documento elaborado com o objetivo de comunicar uma situação a um terceiro, trazendo a descrição dos fatos que motivaram sua elaboração e a relação jurídica presente no caso.

É emitida após descumprimento ou inadimplência contratual. A notificação extrajudicial além de formalizar a ciência, é um meio de prova importante que pode ser usado em processos judiciais se preenchidos os requisitos legais para sua elaboração.

A carta é usada como tentativa de conciliação amigável e também para dar celeridade à resolução de demandas. 

Notificação extrajudicial x notificação judicial

O que difere a  notificação extrajudicial da notificação judicial é a forma pela qual é dada ciência ao destinatário.

A notificação judicial requer a presença do Poder Judiciário para intermediar a relação. 

A notificação extrajudicial é feita usualmente através de Cartório de Títulos e Documentos e Correios. 

Porém, de acordo com o desenvolvimento de novas formas de comunicação, a jurisprudência vem admitindo o seu uso por e-mail e whatsapp desde que feita com ferramentas que assegurem certeza quanto ao recebimento da informação enviada.

A notificação extrajudicial antecede o ajuizamento de ações judiciais e não é  válida para fazer registro oficial de atos processuais. 

Documentos necessários para a notificação

O  remetente pode anexar quaisquer documentos relacionados ao fato descrito na notificação que comprovem a situação descrita.

A seleção dos documentos deve observar a sua utilidade na demonstração do fato narrado e não conter material ofensivo à honra ou que exponha o destinatário à vexame ou humilhação.

Para ingressar com uma notificação, é necessário apresentar duas vias originais assinadas e com endereço completo dos envolvidos.

Como fazer uma notificação extrajudicial

Para fazer uma notificação extrajudicial simples, é necessária a fixação de algumas cláusulas para conferir utilidade à formalização do documento, as quais serão expostas a seguir:

Identificação das Partes

Deve haver o registro do nome completo ou razão social, números de documentos de identificação (RG e CPF ou CNPJ) e endereço completo, tanto do remetente quanto do destinatário da notificação.

Descrição dos fatos

Neste ponto é feita a indicação da relação jurídica entre os envolvidos e a descrição detalhada dos fatos que deram origem à notificação (a exemplo da inadimplência contratual). Essa descrição deve ser o mais detalhada possível.

Finalidade da comunicação

Neste tópico, o remetente deve expor o que pretende com a notificação extrajudicial e pedir a regularização da situação, se for o caso, indicando como deve ser feita.

O remetente pode informar, ainda, ao destinatário o prazo, local ou meios de comunicação para proceder à regularidade e satisfação das necessidades relacionadas ao envio da carta. 

Advertência

Nesta cláusula, devem ser expostas as consequências em caso de inércia após a comunicação como: 

  • ajuizamento de ação judicial; 
  • inscrição em órgãos de restrição ao crédito;
  • protesto de título em cartório; 
  • outras ações atinentes às obrigações assumidas.

Por último deve ser feita a indicação do local onde a notificação será assinada Importante não esquecer de colocar a data, nome e a assinatura do remetente.

A redação precisa ser feita de  forma clara, objetiva e com respeito a moral, os bons costumes e a segurança nacional. Os excessos na utilização deste tipo de comunicação poderão ser punidos na forma da lei.

Notificação extrajudicial por descumprimento de contrato

Nas hipóteses de descumprimento de acordo, a parte lesada pode usar a notificação extrajudicial para obrigar o inadimplente a cumprir obrigação assumida no instrumento contratual.

Tal procedimento vai possibilitar tratar o assunto de forma amigável e podendo também ser meio de prova em caso de eventual ação judicial.

Para este documento, além dos elementos que devem estar presentes na notificação extrajudicial simples, é preciso expor de forma clara e objetiva as cláusulas contratuais descumpridas pela parte notificada e as respectivas sanções previstas no contrato.

O que fazer após a assinatura da notificação

Preenchida a notificação, feito o download, impressão e recolhimento das assinaturas, o próximo passo é se dirigir até um Cartório de Notas para conferir credibilidade ao documento.

No Cartório de Notas deverá ser realizada a autenticação dos documentos mencionados na notificação e o reconhecimento de firma da parte que notifica. 

É importante a assinatura de testemunhas do registro da comunicação enviada. Essas  assinaturas permitirão transformar o documento em título executivo extrajudicial, com força executiva, no caso de necessidade de ingresso de uma ação judicial.

Com este procedimento fica garantida a formalidade da notificação que é necessária à exigência de cumprimento das obrigações ali indicadas. 

Perguntas frequentes sobre notificação extrajudicial para desocupação de imóvel

Como se faz o  pedido de desocupação de imóvel?

Não existe um documento padrão para pedir a desocupação do imóvel seja desocupado. O que se deve fazer é a notificação do inquilino que é um documento por escrito solicitando a desocupação. Recebido o documento, o prazo para que o imóvel seja desocupado é de 30 dias. No caso de recusa, a justiça deve ser acionada.

Qual o valor de uma notificação extrajudicial?

O valor de uma notificação é em média R$272,77.

No texto da notificação deve conter: a qualificação completa do notificante e notificado,  CPF, endereço, profissão, filiação e e-mail. 

Quais os passos para proceder a notificação extrajudicial?

  1. O conteúdo pode ser escrito de forma livre, pois não há um formato padrão. 
  2. Após o registro, o cartório faz a diligência para entregar o documento à pessoa notificanda.
  3. Depois da realização da diligência, o cartório emite uma certidão relativa à notificação.

Quando o locador pode pedir a desocupação do imóvel?

O dono do imóvel pode pedir a desocupação do imóvel a qualquer momento, seja durante ou depois da vigência do contrato, devendo apenas informar ao inquilino oficialmente por meio de um documento escrito.

Qual o  tempo que  o inquilino tem para sair do imóvel?

O inquilino tem o prazo de 30 dias para desocupar o imóvel. 

Como notificar inquilino em atraso?

Notifica-se extrajudicialmente o locatário inadimplente através de carta registrada com aviso de recebimento (pelos correios), ou através da notificação pelo cartório de Registro de Títulos e Documentos.

O que é uma notificação extra judicial?

A notificação extrajudicial é o instrumento para poder exigir o pagamento ou cumprimento de alguma prestação. Também pode servir como prova de que a outra parte foi avisada de sua ilegalidade, possibilitando ainda, caso a notificação seja infrutífera, ser usada ao seu favor no processo judicial.

Posso enviar uma notificação extrajudicial por e-mail?

Sim,  é possível enviar notificações extrajudiciais por e-mail. Da mesma forma como no formato de carta, a notificação enviada de forma online é válida perante a lei. 

Precisa de procuração para notificação extrajudicial?

A notificação extrajudicial pode ser realizada por procuração como acontece, por exemplo, quando o notificante outorga poderes ao um advogado para que ele realize a notificação extrajudicial.

Quais os direitos do inquilino quando o proprietário pediu o imóvel?

Não importa o motivo, quando o dono tem interesse em pedir o imóvel, ele deve avisar o morador com antecedência. Assim, o inquilino tem o direito de no mínimo 30 dias para poder sair totalmente do local. Mas, caso ele não possua nenhum tipo de garantia, o prazo pode reduzir para apenas 15 dias.

Como saber se a notificação extrajudicial é verdadeira?

Ao emitir uma notificação extrajudicial uma certidão é gerada, o que comprova legalmente que o documento chegou em seu destinatário, e que o mesmo está ciente de seu conteúdo, mesmo que a pessoa se recuse a discutir a respeito da ação.

É válida a notificação extrajudicial por WhatsApp?

Sim, é aceita a notificação extrajudicial realizada por meio eletrônico (e-mail e até mesmo WhatsApp), desde que comprovado o recebimento da notificação pelo seu destinatário. O meio eletrônico mais efetivo é o e-mail registrado com assinatura por certificado digital.

O que fazer depois da notificação extrajudicial?

Se você recebeu uma notificação extrajudicial referente a uma dívida, a primeira coisa a se fazer é buscar a instituição notificante para uma melhor compreensão da situação. Também é importante que você solicite informações do que está sendo cobrado, e o título da dívida.

A TheStartLaw é a NPS 9.2/10 segundo clientes

A startlaw tem nos ajudado muito a estruturar as demandas jurídicas da SDW. É um acompanhamento muito valioso que permite um crescimento saudável para nossa startup e uma tranquilidade para que nossa equipe possa focar no que realmente importa, nosso impacto social!

Anna Luísa Beserra

SDW For All

Perguntas frequentes

Uma lawtech especializada em consolidar as ideias que transformam o mundo através de sistema operacional inteligente que torna as coisas mais fáceis para Startups, com foco na organização da informação jurídica e automatização de contratos. Além de utilizar IA (inteligência artificial) para auxiliar na análise de evidências contratuais e revelar informações inexploradas em seu negócio.

Dedicamos nossos serviços para empreendedores e startups nacionais e internacionais que desejam se consolidar. Criamos planos de atendimento personalizados para certos estágios do ciclo de vida da organização. Você pode escolher o melhor plano adaptado às suas necessidades ou definir uma demanda pontual. Consolidamos seu negócio em cada etapa, desde a ideação ao exit.

Possuímos um extenso rol de áreas do Direito e Tecnologia abordadas por nossa equipe multidisciplinar.